Tuesday, March 28, 2006

 

CONFISSÕES E POLÍTICAS DE NOMEAÇÃO

As pessoas que me conhecem sabem muito bem que eu nem sempre fui inteligente. Eu explico. Quando fui fazer exame aos liceus chumbei. A minha professora primária falava muito bem e expressava-se oralmente como se fosse do Continente. Eu escrevia sem erros ortográficos e era dos melhores alunos da minha classe. No dia do exame, coube-me na rifa o poeta Armando Cortes Rodrigues, na prova fatal do ditado. O raio do homem falava com a boca fechada. Tudo bem! Era um "micalês" culto e doutor do Liceu, o que para a minha professora era uma espécie de sábio a quem devíamos obedecer escolarmente. Habituado à minha professora e ao modo como ela se expressava, eu não cometia erros. Bem, reduzindo esta lengalenga senão não chego ao Padre Melo nem ao texto de Natália Almeida. Não passei no exame porque reproduzi ortográfica e fielmente os sons que saíam daquela boca cuja dicção daria para uma tese de doutoramento antropológico. Armando Cortes-Rodrigues era um "pedagogo" diplomado em Letras e reconhecido pelo Estado Novo. Daí para cá, foi chumbo em cima de chumbo (deixei de estudar pura e simplesmente), escrevo com erros e quando quero dar uma de culto também falo com a boca fechada. Porém, um dia, o Diabo apareceu-me e desafiou-me: "Queres ser rico ou inteligente?"- "Inteligente e que saiba escrever!" (Porque a riqueza está sujeita às revoluções e aos impostos) -"Não! Só tens uma só opção!"- "Então, quero ser inteligente!"- "Para que isso aconteça tenho de ficar com a tua alma!" - Dei-lhe a alma uma vez que ela não me servia para nada. Fiz um pacto com o Diabo. Que se lixe! Não me tenho dado mal, não senhor... Quando algum micaelense é nomeado para qualquer cargo gera-se sempre uma onda de opiniões que em geral fica dicotomicamente ideologizada em espuma de esquerda e de direita. O Dr. Duarte Melo não fez pacto com o Diabo, senão não era padre. Deve tê-lo feito com o governo de César. Não sendo este o Diabo propriamente dito, também faz pactos. E de todos os tipos, diga-se em abono da verdade política, se esta existe realmente. Fez pactos com a direita, extrema-direita micaelense (beata, amante do próximo, cumpridora dos requisitos bíblicos, etc.), e outros que tais. Ah, e com a esquerda! É do hábito, desculpem-me! O Padre, deve ser da esquerda. Ainda bem! Eu também sou, embora ninguém nos Açores acredite nisso. O meu irmão é que é da direita! Eu tenho curriculo e posso demonstrá-lo. Bolas! Farto-me de o afirmar. Nada! Não comprendem. Eu sei porque é (calculo): dá-me nervos quando os homens de esquerda se tornam colaboracionistas com o capital desavergonhadamente. Ultimamente é vê-los feito lacaios e barrigudos/as. (Parece um anúncio a pedir empregados de escritório). Digo que o padre é de esquerda porque Natália Almeida ( que é de esquerda e deve estar a querer ganhar o céu ou outra coisa espiritual) veio defender a nomeação do sacerdote católico na praça pública e num jornal local. Diz ela, a autora de "Menina" (daí para cá só escreve coisas para a secção infantil), que o Padre Melo afirmou que o museu Carlos Machado é um cemitério. Oh, doutora, quem melhor do que um padre para rezar missas do sétimo dia, num cemitério? O Padre Melo estava a referir-se aos fetos humanos que estão metidos em frascos e aos pobres animais que estão embalsamados e que o público pode ver todos os dias. Aquilo é um cemitério! Está cheio de coisas mortas. Santa Joana também está lá e dentro de um sarcófago de vidro... O Padre vai trazer a juventude "micalesa" para o museu... O Dr. António Oliveira queixava-se de não ter espaço para expor uma quantidade enorme de obras de arte de que o museu é proprietário. Só se for para o dormitório do Convento de Santa Bárbara que abriga milhares de ratos. Para isso, é preciso, primeiramente retirar de lá os roedores e arranjar alguém que dê lições de educação sexual. Diz a escritora de "Menina" que o Padre esteve sujeito a ser assassinado de várias maneiras. Para que serve a Judiciária? Denunciem-se os criminosos! "Um homem de coragem que nunca se deixou abater..." Para se ser director de um museu é condição prévia ter-se tido lições de defesa pessoal, num ginásio ? Vou terminar, pois vivo em frente ao museu e prefiro um mau ano do que um mau vizinho. Esclareço que o Padre Duarte Melo tem os requisitos necessários para ser director do Museu Carlos Machado. Tem o meu apoio pessoal. Não estou a brincar. Já o tinha dito a um outro vizinho meu: o Padre-Doutor-Monsenhor Weber da Cáritas. O que é preciso, agora é que ele faça ver aos pontadelgadenses o ponto em que os vários governos (e são muitos) deixaram chegar uma instituição que devia ser a nossa Menina dos olhos. E isso, não creio que vá fazer (aguardemos), porque César não quer ondas. Ondas ele as fazia para desapossar os social-democratas - que ele tão bem copia - dos lugares de "utilidade publica".
Sendo vizinho do Dr. Duarte Melo e querendo desejar-lhe um bom trabalho convido-o para um uísque. Tem de ser à tarde, pois levanto-me quase sempre depois da uma.
MMB

Comments:
Mélito
Se não ficar claro o estado em que o museu está, não há padre excomungado que lhe valha.
Nem mesmo com sacas de dinheiro.
 
Este é um post muito pouco Católico...não era Vexa devoto do Partido da Democracia Cristã ? Olhe que parece apóstata e creio que cometou um pecado capital a lançar esses falsos testemunhos sobre o imaculado cónego Duarte Melo !
 
Acho que se queria observar as regras da boa vizinhança, a primeira coisa que deveria ter feito era não escrever este texto. Agora pronto. Não me parece que o Padre Duarte queira tomar um copo consigo. Vai pensar que pode ser envenenado.
 
E haverá missa no Museu?
 
Quem é o Padre Melo? O Padre Weber Machado bem merece a distinção pelo seu empenho, persistência e justiça.
 
Ahahahahahahahahah, ainda vai ser escumungado...ehehehehehehe
 
Post a Comment



<< Home

This page is powered by Blogger. Isn't yours?